Discuta as notícias e acompanhe os campeonatos do bom e velho futebol
  • 1
  • 101
  • 102
  • 103
  • 104
  • 105
  • 108

 Farofas
  •  172474 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Imagem

    sempre os mesmos na frente :rimbuk:

     vilela_09
  •  27241 posts
  •  

    Avatar do usuário

    athletico foi esperto em, como não tem ppv, a globo colocou vários jogos deles na tv aberta e fechada, mengão e curintia se ferraram para ela vender ppv

    palmares foi mais equilibrado pq o esporte interativo tem ele como carro chefe e passa até jogo treino

    Imagem

     Mucamo
  •  21748 posts
  •  

    Avatar do usuário

    CAP se deu bem demais.

    Incrível

     Rlim
  •  16363 posts
  •  

    Avatar do usuário

    X-MAN escreveu: Li e desconfio desses números
    Os números dele me pareceram fazer sentido. Até porque como ele mesmo disse, uma boa parte não tem como saber exatamente, vai pela especulação.

     otzy
  •  6121 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Esse choro todo e o Flamengo ganha só isso a mais? Mesmo sendo campeão? Pqp.

     Mota Offspring
  •  54633 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Atlético não tinha coxa concorrendo com ele também, com coxa subindo acho que esses números diminuem

    TPTK


     Farofas
  •  172474 posts
  •  

    Avatar do usuário

    X-MAN escreveu: Li e desconfio desses números
    teve pedalada pra todo lado ai

    parece que a divisão ficou "mais justa", mas continua a mesma bosta



     ruud
  •  6942 posts
  •  

    Avatar do usuário

    mas kd minha espanholização?

     X-MAN
  •  18335 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Mucamo escreveu: CAP se deu bem demais.

    Incrível
    Vivemos um momento em que comprar briga com a globo sempre vale a pena.
    Até o presidente da república usa disso pra ganhar popularidade, tá dado o gabarito pro dirigente que for esperto.

     Farofas
  •  172474 posts
  •  

    Avatar do usuário



    O desequilíbrio no pay-per-view

    Enquanto as televisões aberta e fechada contribuem para que o futebol brasileiro fique mais equilibrado financeiramente, o pay-per-view puxa para a desigualdade. Ainda não há informação suficiente para simular valores, mas é possível cravar que há desequilíbrio por causa de uma distorção que não foi prevista na concepção do modelo anos atrás.

    A história do pay-per-view é mais difícil do que qualquer um poderia imaginar. A princípio, a Globo distribuiria R$ 650 milhões a todos os clubes da primeira divisão conforme pesquisa na base de assinantes. Isso foi acordado em 2016, no momento da assinatura dos contratos. Só que o valor e a mecânica da distribuição foram alterados até 2019.

    Entre 2017 e 2018, a maioria dos clubes estava com graves problemas financeiros. Embora eles tivessem acabado de receber consideráveis luvas, o dinheiro foi consumido por dívidas, mas as dívidas não acabaram. Dirigentes passaram a procurar a Globo, então, para que a emissora os ajudasse com a anuência para que eles tomassem empréstimos bancários dando os contratos de tevê como garantia.

    A Globo cedeu. No entanto, receosa de que os pacotes de pay-per-view não fossem gerar receita suficiente para distribuir R$ 650 milhões e ainda pagar pela operação do Premiere, a emissora condicionou a ajuda a algumas revisões nos contratos que tinham sido assinados em 2016.

    Em primeiro lugar, a companhia propôs que o mínimo garantido coletivo de R$ 650 milhões acabasse. Se as vendas das assinaturas não chegassem a tanto, o valor poderia ser diminuído. Em segundo, os clubes que foram acudidos também precisariam abrir mão dos mínimos garantidos individuais aos quais teriam direito sobre o total. Valores estipulados não em percentuais, mas em milhões de reais.

    O problema é que a maioria dos clubes concordou com as condições, mas não todos. Corinthians, Flamengo, Grêmio e Palmeiras estavam em boas situações financeiras e não precisaram da ajuda da Globo. Como eles não aderiram às novas condições, mantiveram o direito de receber as suas garantias mínimas. No caso do Flamengo, único a divulgar o valor, o mínimo sobre o pay-per-view é de R$ 120 milhões.

    Hoje, dirigentes contam com cerca de R$ 550 milhões no pay-per-view, segundo apurou o blog. A Globo não se manifesta sobre valores.

    À medida que o pay-per-view perdeu a garantia mínima coletiva, mas alguns clubes mantiveram partes fixas sobre o total, os percentuais de todos os outros tendem a ser fortemente impactados. Em outras palavras, no momento em que a emissora descontar as partes fixas de Corinthians, Flamengo, Palmeiras e Grêmio, o valor restante será menor do que previsto anos atrás e fará com que os repasses sejam proporcionalmente menores para os demais.

    Imagine que o pay-per-view é uma torta a ser repartida por vinte pessoas. Cada uma tinha um pedaço com tamanho pré-determinado. Acontece que muitas delas desistiram da garantia sobre os tamanhos de seus pedaços, mas não todas. No momento de cortar a torta, algumas pessoas mantiveram seus pedaços inteiros, como se nada tivesse acontecido. Como a torta ficou menor, os pedaços de todas as outras ficaram menores do que elas esperavam.

    Este assunto permanecerá aberto até o início de 2020, quando serão contabilizadas as assinaturas, as receitas e as partes de cada clube sobre o total. Por não haver dados suficientes, o blog abdicou de fazer a simulação dos valores previstos. Mas a disparidade é certa, e o problema deverá ser discutido entre dirigentes nos próximos meses.

    Opinião do blogueiro

    O futebol brasileiro passa por momento decisivo. Por muito tempo nivelado pela bagunça e pela irresponsabilidade de seus dirigentes, todos assistiram às reestruturações de Flamengo e Palmeiras, clubes que colecionam títulos e arriscam, pela primeira vez, tornar o Brasileiro em campeonato previsível como são as grandes ligas europeias.

    Não há como culpar a televisão pela desigualdade no futebol. A disparidade é imparável. Flamengo e Palmeiras têm vantagens muito maiores do que adversários em fontes como patrocínios, bilheterias e sócios. Mesmo que direitos de transmissão fossem ou sejam equilibrados, não era, nem será suficiente para equilibrar o jogo.

    No entanto, ao mesmo tempo em que o reequilíbrio do futebol passa por questões estruturais – revisão do calendário, entrada de investidores que hoje estão alheios ao mercado futebolístico e reestruturação política, administrativa e financeira dos clubes que ainda insistem na bagunça –, não há como negar que os direitos de transmissão são a única receita manejável em favor de interesses coletivos.

    Em outras palavras, não há como repartir entre competidores os valores de patrocínios, bilheterias e sócios. Apenas o dinheiro da televisão pode obedecer a uma lógica que privilegie o equilíbrio.

    Torcedores gostam de lembrar que na época do Clube dos 13 a partilha da televisão era mais equilibrada, mas a realidade é que aquele modelo não era justo. A hierarquia era decidida de acordo com a potência do gogó dos dirigentes em questão, enquanto clubes afastados do Sudeste eram excluídos ou diminuídos por força política. Nem era justo o formato que foi adotado em seguida. Negociações individuais e "livre mercado" privilegiaram Corinthians e Flamengo.

    Em um mercado desordenado como é o do futebol brasileiro, no qual dirigentes de clubes são incapazes de trabalhar em conjunto ou defender pautas comuns, toda transição é complexa e gradual.

    https://globoesporte.globo.com/blogs/bl ... ibra.ghtml

    :ohnoes: :ohnoes: :ohnoes: :ohnoes: :ohnoes:

     Dantas
  •  15233 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Turner quer virar a Globo,porém não tem grife então ,Não obrigado.

     Farofas
  •  172474 posts
  •  

    Avatar do usuário

    tava na cara q esse modelo do PPV ia dar merda

     Touro Mecânico
  •  9320 posts
  •  

    Avatar do usuário



    Audiência digna de um Santos x Ferroviária pelo paulistão. O pessoal preferiu sair da tv pra ver netflix e caminhar no parque a assistir ao mundialito.

     Farofas
  •  172474 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Globo reduz jogos ao vivo às quartas-feiras do Paulistão

    Campeonato estadual que mais custa aos cofres da emissora, o Paulistão terá menos exposição na TV aberta em 2020, seguindo projeto da Globo de reduzir o número de jogos disponíveis gratuitamente nos Estaduais e priorizando a distribuição na TV paga e, especialmente, no pay-per-view.

    A Federação Paulista de Futebol (FPF) divulgou na manhã de quinta-feira (26) a tabela com a transmissão dos jogos da primeira fase do Paulistão. Em 12 rodadas, apenas a última terá transmissão de uma partida em TV aberta numa quarta-feira. Ao todo, duas rodadas não serão exibidas gratuitamente, ficando restritas ao Sportv e ao Premiere, serviço de assinatura de trasnmissão de jogos. Entre elas está a de abertura da competição, nos dias 22 e 23 de janeiro (quarta e quinta-feira).

    A redução de exposição de jogos na TV aberta tem como objetivo aumentar a audiência média da transmissão do Estadual. Nos últimos anos, a Globo tem tido índices ruins no Ibope quando transmite as primeiras rodadas dos torneios locais. Isso fez a emissora abrir mão da transmissão de alguns torneios, como o Campeonato Paranaense, que em 2020 será exibido exclusivamente pelo DAZN.

    Outra mudança feita pela emissora foi dar mais força ao Sportv nas transmissões. Em vez de a maioria dos jogos ser exibida no PPV, é o canal por assinatura quem mostrará grande parte das partidas da primeira fase da competição. A cada rodada, pelo menos quatro dos oito duelos estarão no canal pago. Na maioria das vezes, serão cinco partidas ao vivo no Sportv.

    Esses jogos, porém, não serão os que possuem maior apelo de audiência. Esses ficarão restritas ao pay-per-view. É no serviço de assinatura que estarão concentrados os quatro times de maior torcida. Os jogos de PPV programados na primeira fase reúnem sempre pelo menos um dos quatro "grandes" do estado.

    Os clássicos também estarão na plataforma. Apenas dois confrontos entre os times mais populares não serão exclusivos do PPV: os clássicos Palmeiras x São Paulo e Corinthians x Palmeiras, que terão também transmissão ao vivo pela Globo.

    Diferentemente do Brasileirão, em que os clubes são sócios da Globo na divisão da receita do PPV, no Paulistão a emissora fica com o lucro do negócio junto com as operadoras de TV paga.

    Ao colocar os times de maior torcida dentro do PPV, a Globo também consegue reter o consumidor da Série A do Brasileirão. No Rio de Janeiro, ainda sem acordo com o Flamengo, a emissora vê o risco de o PPV "esvaziar" no primeiro trimestre.

     V-Brake
  •  39636 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Se a Globo parar de dar dinheiro pra transmissão de estadual, em 1 ano eles morrem de vez. Espero q a Globo faça isso com todos.

     Super Fofo
  •  41753 posts
  •  

    Avatar do usuário

    sonho da porra a merda do baianão morrendo e tendo só o nordestão e eventuais competições continentais primeiros meses

    e olha que o baianão já é um dos estaduais com calendario mais enxuto

     Dantas
  •  15233 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Ruralito so serve pra abaixar a media de publico do ano

     Abedi Pelé
  •  5159 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Depois que puxaram a CDB com os times grandes pra fevereiro, não tem mais necessidade de passar estadual só colocar futebol na grade.

    Pros paulistas não tem CDB, mas dá pra pra passar 2 ou 4 quartas com a galinhada na pré libertadores.
    • 1
    • 101
    • 102
    • 103
    • 104
    • 105
    • 108

    MENSAGENS RECENTES

    Pro ps5 digital only isso é problema me[…]

    The Knick • RIP

    :ohnoes: :ohnoes: :ohnoes: :ohnoes: :ohnoes:

    MAFIA III

    Acabei de comprar e já botei pra baixar. F[…]

    Com a crise q teve globalmente, mesmo com o setor […]



    O melhor conteúdo: seguro, estável e de fácil manutenção, desde 2012