O seu lugar para falar asneiras e discutir assuntos variados

 Farofas
  •  172211 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Imagem

    Apresentadoras locais das grandes redes de TV estão sofrendo com o chamado assédio virtual. Canais no YouTube editam suas participações em jornais e repostam as imagens na web com contexto sexual, ressaltando partes do corpo como seios e nádegas. A jornalista que mais aparece nessa situação é Mariana Martins, ex-Globo e agora apresentadora da Record em Goiânia. Para Priscilla Bittencourt, âncora da Globo em Sergipe, a exploração é "revoltante". "Isso é um ato de violência", desabafa.





    Levantamento feito Notícias da TV constatou que há um procedimento padrão. Primeiro, o vídeo reproduz a apresentação normal da jornalista, como na TV. Depois, começa o "assédio virtual": ele é editado, e colocado em câmera lenta, focando nas partes íntimas das apresentadoras.

    Além de Mariana Martins, também têm sido vítimas desse tipo de assédio Silvye Alves, apresentadora policial da Record em Goiás; Jéssica Senra, âncora da Globo na Bahia; Raffaela Oliveira, ex-apresentadora esportiva da Record em Sergipe; e Manuela Montenegro, repórter da Record no Amazonas.









    Além das âncoras locais, os canais também utilizam, em vídeos pontuais, celebridades e apresentadoras esportivas. A ex-BBB Cacau Colucci, a funkeira Lexa e a apresentadora Livia Nepomuceno, do Fox Sports, já foram vítimas.

    São cinco canais no YouTube que alimentam esse tipo de conteúdo. A aposta é majoritariamente em âncoras locais, já que as afiliadas não costumam derrubar vídeos no site por questões de direitos autorais, diferentemente da Globo.

    O campeão nesse tipo de sacanagem é o canal "gbrsj cec", com mais de 8 milhões de visualizações e atualização semanal. O vídeo mais visto tem cerca de 1,2 milhão de views. Os comentários dos leitores são de arrepiar de tão grotescos.

    Mariana Martins, a apresentadora mais objetificada sexualmente, surpreendeu o mercado no mês passado ao trocar a Globo pela Record. Ela apresentava o tempo e trânsito do Bom Dia Goiás, era equivalente a Gloria Vanique no Bom Dia São Paulo, e ficava sempre de pé. Essas imagens foram editadas na internet, com foco em seu bumbum.
    Assédio lucrativo

    Tais vídeos não têm bloqueio de idade, nem restrição de conteúdo, e ainda são monetizados pelo YouTube. Ou seja, os donos chegam a ganhar dinheiro pelos crimes que praticam.

    Na teoria, além de conteúdo de direito autoral, as imagens poderiam ser tiradas do ar por se tratar de degradação da mulher, segundo a advogada especialista Ignácia Cardoso. "A situação é peculiar", diz. Não existe uma lei clara para esse tipo de crime na esfera penal, tudo depende da interpretação do juiz. Do lado civil, podem haver sanções.

    "Na esfera civil, houve violação de direito de imagem, usando a jornalista em um contexto sem seu consentimento, mas mesmo assim é difícil identificar o autor, quem está postando ou quem está comentando nos vídeos. Na esfera penal, não vai se enquadrar, porque não tem no vídeo cena de nudez, pornografia ou de sexo, não podendo responder pelo artigo 281-C, que é o mais próximo da situação", afirma.

    O fato também revolta movimentos de defesa da mulher. O Coletivo Feminista Ana Montenegro, um dos mais importantes do Nordeste, se indignou. Para uma de suas representantes, a militante Maria Aparecida Lopes, o sucesso desse novo tipo de prática prova o machismo enraizado na sociedade.

    "O machismo precisa ser combatido, para que além de tudo nossa dignidade humana seja respeitada, pois mulheres não se resumem a um pedaço de carne para ser consumido pelos homens, nossa capacidade está para além das nossas aparências e do nosso sexo", afirmou Maria Aparecida.



    'Ofendida e desrespeitada', diz apresentadora

    O Notícias da TV procurou todas as âncoras citadas. Jéssica Senra e a TV Bahia preferiram não comentar o assunto. Mariana Martins, Silvye Alves, Raffaela Oliveira e Manuela Montenegro não responderam.

    A única que decidiu falar foi Priscilla Bittencourt, que não sabia que era vítima até ser abordada pela reportagem. Ela pediu alguma forma de punição para seus agressores e ressaltou que leis especificas para crimes virtuais precisam ser criadas.

    "Como qualquer mulher, eu me senti ofendida e desrespeitada. Acredito que a internet torna esse tipo de conduta ainda mais grave, porque além do comportamento abusivo de quem posta, existe a exposição da imagem da vítima. Isso é um ato de violência que precisa de leis severas e fiscalização para que os agressores não se sintam impunes", disse Priscilla.

    A reportagem também tentou falar com o YouTube, mas não houve resposta da plataforma de vídeos até a conclusão deste texto.







    E aí , qual a opinião dos foristas sobre esse tema polêmico ?
    Editado pela última vez por Farofas em 21/04/2019, 20:54, em um total de 2 vezes.

     UltraRS
  •  5942 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Puta que pariu querem acabar até com a punheta da gurizada

     Farofas
  •  172211 posts
  •  

    Avatar do usuário

    UltraRS escreveu: Puta que pariu querem acabar até com a punheta da gurizada
    gurizada nada

    a maioria dos comentários é feito por pessoas da melhor idade

    inclusive com uns avatares muito bons digasse di passagi

     UltraRS
  •  5942 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Farofas escreveu:
    UltraRS escreveu: Puta que pariu querem acabar até com a punheta da gurizada
    gurizada nada

    a maioria dos comentários é feito por pessoas da melhor idade

    inclusive com uns avatares muito bons digasse di passagi
    Gurizada é forma de expressão, do mesmo jeito que a gente se refere a malandragem falando “os guri”

     Dantas
  •  15233 posts
  •  

    Avatar do usuário

    entao pra q existe youtube?

    se nao for ter isso,melhor nem existir
    UltraRS, OCTA  isso

     Mucamo
  •  21710 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Guilherme Caps era user?

     Sudit
  •  46580 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Jornalismo é um circulo de nepotismo.
    Se essas mulheres não tivessem esse corpo, nunca teriam chegado a TV.
    Quantos milhares de estudantes de jornalismo ficam anualmente sem possibilidade de emprego e tendo que começar uma outra faculdade pq não são filho de alguem do meio e nem possuem uma bunda dessas?

    E essas ai ainda reclamam.
    Mucamo, baralho  isso

     v00d00
  •  2001 posts
  •  

    Vail St. Anna
    Cara... chupar o cu dessa mulher deve ser maravilhoso!!! Chupo ela inteira.... tezão da minha vida... mais uma homenagem prá o dia!!!

    320 cris
    Eu iria enfiar muito à língua no cuzinho dessa mulher.

    Vail St. Anna
    eu ía engolir o cuzinho dela!!!!!
    Diego Ribeiro

    Paulo Kamakãn
    Carai, que cuzão guloso da porra!!
    Isso que é mulher, não é esse botijão de gás que eu tenho aqui em casa não!!

    Luiz Carlos
    Linda gostosa bududa parabéns você é bonita

    Sniper sis
    Nossa mãe isso pelada deve ser locura que delicia
    Farofas, bob  isso

     Enally
  •  633 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Só para rir dessas lesadinhas.

     OCTA
  •  900 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Farofas escreveu: Imagem

    Apresentadoras locais das grandes redes de TV estão sofrendo com o chamado assédio virtual. Canais no YouTube editam suas participações em jornais e repostam as imagens na web com contexto sexual, ressaltando partes do corpo como seios e nádegas. A jornalista que mais aparece nessa situação é Mariana Martins, ex-Globo e agora apresentadora da Record em Goiânia. Para Priscilla Bittencourt, âncora da Globo em Sergipe, a exploração é "revoltante". "Isso é um ato de violência", desabafa.





    Levantamento feito Notícias da TV constatou que há um procedimento padrão. Primeiro, o vídeo reproduz a apresentação normal da jornalista, como na TV. Depois, começa o "assédio virtual": ele é editado, e colocado em câmera lenta, focando nas partes íntimas das apresentadoras.

    Além de Mariana Martins, também têm sido vítimas desse tipo de assédio Silvye Alves, apresentadora policial da Record em Goiás; Jéssica Senra, âncora da Globo na Bahia; Raffaela Oliveira, ex-apresentadora esportiva da Record em Sergipe; e Manuela Montenegro, repórter da Record no Amazonas.









    Além das âncoras locais, os canais também utilizam, em vídeos pontuais, celebridades e apresentadoras esportivas. A ex-BBB Cacau Colucci, a funkeira Lexa e a apresentadora Livia Nepomuceno, do Fox Sports, já foram vítimas.

    São cinco canais no YouTube que alimentam esse tipo de conteúdo. A aposta é majoritariamente em âncoras locais, já que as afiliadas não costumam derrubar vídeos no site por questões de direitos autorais, diferentemente da Globo.

    O campeão nesse tipo de sacanagem é o canal "gbrsj cec", com mais de 8 milhões de visualizações e atualização semanal. O vídeo mais visto tem cerca de 1,2 milhão de views. Os comentários dos leitores são de arrepiar de tão grotescos.

    Mariana Martins, a apresentadora mais objetificada sexualmente, surpreendeu o mercado no mês passado ao trocar a Globo pela Record. Ela apresentava o tempo e trânsito do Bom Dia Goiás, era equivalente a Gloria Vanique no Bom Dia São Paulo, e ficava sempre de pé. Essas imagens foram editadas na internet, com foco em seu bumbum.
    Assédio lucrativo

    Tais vídeos não têm bloqueio de idade, nem restrição de conteúdo, e ainda são monetizados pelo YouTube. Ou seja, os donos chegam a ganhar dinheiro pelos crimes que praticam.

    Na teoria, além de conteúdo de direito autoral, as imagens poderiam ser tiradas do ar por se tratar de degradação da mulher, segundo a advogada especialista Ignácia Cardoso. "A situação é peculiar", diz. Não existe uma lei clara para esse tipo de crime na esfera penal, tudo depende da interpretação do juiz. Do lado civil, podem haver sanções.

    "Na esfera civil, houve violação de direito de imagem, usando a jornalista em um contexto sem seu consentimento, mas mesmo assim é difícil identificar o autor, quem está postando ou quem está comentando nos vídeos. Na esfera penal, não vai se enquadrar, porque não tem no vídeo cena de nudez, pornografia ou de sexo, não podendo responder pelo artigo 281-C, que é o mais próximo da situação", afirma.

    O fato também revolta movimentos de defesa da mulher. O Coletivo Feminista Ana Montenegro, um dos mais importantes do Nordeste, se indignou. Para uma de suas representantes, a militante Maria Aparecida Lopes, o sucesso desse novo tipo de prática prova o machismo enraizado na sociedade.

    "O machismo precisa ser combatido, para que além de tudo nossa dignidade humana seja respeitada, pois mulheres não se resumem a um pedaço de carne para ser consumido pelos homens, nossa capacidade está para além das nossas aparências e do nosso sexo", afirmou Maria Aparecida.



    'Ofendida e desrespeitada', diz apresentadora

    O Notícias da TV procurou todas as âncoras citadas. Jéssica Senra e a TV Bahia preferiram não comentar o assunto. Mariana Martins, Silvye Alves, Raffaela Oliveira e Manuela Montenegro não responderam.

    A única que decidiu falar foi Priscilla Bittencourt, que não sabia que era vítima até ser abordada pela reportagem. Ela pediu alguma forma de punição para seus agressores e ressaltou que leis especificas para crimes virtuais precisam ser criadas.

    "Como qualquer mulher, eu me senti ofendida e desrespeitada. Acredito que a internet torna esse tipo de conduta ainda mais grave, porque além do comportamento abusivo de quem posta, existe a exposição da imagem da vítima. Isso é um ato de violência que precisa de leis severas e fiscalização para que os agressores não se sintam impunes", disse Priscilla.

    A reportagem também tentou falar com o YouTube, mas não houve resposta da plataforma de vídeos até a conclusão deste texto.







    E aí , qual a opinião dos foristas sobre esse tema polêmico ?
    tinha que ser o uol
    sempre que tiver mulher bonita eles vão sempre polemizar, sempre
    foram eles que criaram o chega de baixaria na tv, que matou a banheira do gugu e implementou a volta da censura

     Dantas
  •  15233 posts
  •  

    Avatar do usuário

    rafaela oliveira é deusa demais puta q paril

     Pipoteca
  •  13874 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Como se não bastasse esses machistas sexistas homofóbicos estuprarem nossas mulheres na vida real agora inventaram essa modalidade de estupro virtual, onde moças puras e inocentes tem suas imagens violadas cruelmente sem poderem se defender.
    Fiz questão de me inscrever em todos os canais indicados acima para acompanhar e denunciar cada video novo lançado. Precisamos acabar com essa prática torpe e desumana #NinguémLargaAMãoDeNinguém

     Bisnaga
  •  1579 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Já fapei várias vezes pra esses tipos de vídeo
    Mucamo  isso

     Farofas
  •  172211 posts
  •  

    Avatar do usuário

    OCTA escreveu: Imagem

    olha o dono da matéria :facepalm:
    Novo ídolo dos palmeirenses depois que ele cravou na ultima quarta feira que a Globo ia ceder nas negociações com o clube.
    já se passaram 4 dias e nada, mas ele jura que vai ocorrer

     Piccolo_san
  •  45618 posts
  •  

    Avatar do usuário

    A maioria usa calças ou roupas que acentuam o rabo. Impossível o pessoal não ficar maluco.
    Mucamo  isso

     Farofas
  •  172211 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Piccolo_san escreveu: A maioria usa calças ou roupas que acentuam o rabo. Impossível o pessoal não ficar maluco.
    São as apresentadoras que escolhem a roupa ou a figurinista da emissora?

    Na maioria dos programas costuma ser a figurinista

    MENSAGENS RECENTES

    O que some é o IgG, mas não quer diz[…]

    Água é hors concours ne? pr[…]

    além de eliminar o Grêmio da Libert[…]

    Twitter

    Errado não tá. :bigode:



    O melhor conteúdo: seguro, estável e de fácil manutenção, desde 2012