O seu lugar para falar asneiras e discutir assuntos variados
  • 1
  • 458
  • 459
  • 460
  • 461
  • 462
  • 797

 songohan2
  •  25197 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Só um adendo, perguntei depois quando descobriram:
    Ela tava ruim tem um tempo mas o médico do trabalho dela disse que era sinusite
    Ele começou na sexta
    Ai confirmou ontem
    :suando:

     Bolatti Deusudo
  •  15709 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Turin escreveu:
    Bolatti Deusudo escreveu:
    Turin escreveu:
    1+2=7 escreveu:
    Taxa de mortes com cloroquina equivale à de quem não usa, diz estudo preliminar da Fiocruz

    Os resultados preliminares de um estudo feito com a cloroquina pela Fiocruz e pela Fundação de Medicina Tropical mostraram que a letalidade no grupo de pacientes com Covid-19 testado, em estado grave, foi de 13%.

    De 81 doentes internados que tomaram o medicamento, 11 morreram.

    A taxa de mortalidade verificada em pacientes em iguais condições que não usaram a droga é de 18%, segundo estudos internacionais, inclusive da China.

    A proximidade dos dois índices não permite afirmar, por enquanto, que a cloroquina possa fazer diferença fundamental no tratamento dos doentes infectados pelo novo coronavírus.

    "Os otimistas podem achar que [a taxa com o uso da cloroquina] é menor. Os pessimistas podem achar que é igual. Estatisticamente, é igual, na margem de confiança", diz o infectologista Marcus Lacerda, da Fiocruz, que participa do estudo.

    A pesquisa deve seguir, portanto, até que os dados sejam conclusivos. "Tudo pode. Mas não podemos achar nada", diz ele, reafirmando que é preciso esperar pelas conclusões científicas e seguras do estudo.

    Ele prevê que 440 pacientes, de diferentes hospitais do país, sejam testados –e pode durar ainda de dois a três meses. O grupo de pesquisa é integrado também pela cardiologista Ludhmila Hajjar, do Incor de SP.

    A ideia inicial era que a metade dos doentes tomasse uma dose de 10g de cloroquina e o outro grupo, a metade disso.

    A dose maior, no entanto, se mostrou tóxica, provocando reações indesejadas, como arritmia e "outras complicações graves", diz Marcus Lacerda.

    As conclusões preliminares já foram enviadas para publicação numa revista científica justamente porque os testes mostraram que a dose maior de cloroquina pode causar danos. E conclusões sobre a segurança dos doentes precisam ser rapidamente conhecidas.

    "Quando comparamos os grupos de diferentes doses, vimos mais toxicidade na alta dose. Por isso suspendemos esse braço do estudo", afirma o médico. "Agora todos usarão apenas a baixa dose."

    "Nosso estudo [até agora] apenas pode afirmar que a dose alta e muito tóxica", conclui Marcus Lacerda.

    O uso da cloroquina e da hidroxicloroquina em pacientes com coronavírus viraram uma palavra de ordem do presidente Jair Bolsonaro, que quer liberar o uso mesmo antes da conclusão segura de estudos feitos no Brasil e no mundo.

    O ministro Luiz Mandetta, da Saúde, tem se recusado a endossar o uso generalizado antes da palavra final dos cientistas.
    https://www1.folha.uol.com.br/colunas/m ... cruz.shtml

    Foi testado em pacientes graves.

    Quero ver o da prevent que diz estarem usando hidroxicloroquina e nos pacientes com sintomas primários.
    Me corrija se eu estiver errado, mas o "problema" do Prevent é que, pelo que entendi, eles tão receitando para todo e qualquer paciente com febre e mais de 70 anos. Antes mesmo de saber se o paciente tem covid. São só dois requisitos: febre e idade.

    Ou seja, basicamente, é bem provável que uns 90% dos pacientes "curados" com a cloroquina sequer tinham Covid-19. E considerando o universo pequeno dos demais, é bem razoável supor que poucos morreriam ou mesmo teriam sintomas mais fortes.

    Enfim, se essas premissas são verdadeiras (é oque encontrei nas notícias) me parece que, a nível científico, beira a irrelevância as conclusões da prevent, embora seja uma tentativa válida, obviamente.
    Segundo a entrevista que eu postei com eles gigante há umas páginas atrás, apesar deles seguirem esse protocolo, os números deles são baseados nos testes que fazem e não tem todo mundo que chega.

    Tipo, eles dão o remédio pra quem chega com os sintomas, mas testam a pessoa e a baixíssima taxa de mortalidade que tem na faixa etária comparada com a normal dela é baseada nos que dão positivo.
    Entendi.

    Mesmo assim, não teria valor científico pq não tem grupo de controle, não tem critério de comparação para ter uma ideia de quantos melhoraram de fato por causa do remédio ou se eles simplesmente melhorariam mesmo sem a cloroquina.
    Além disso, se eles tão comparando com os índices globais, dá OMS, etc, tbm não faz sentido pq são inconfiaveis.

    De qualquer forma, o que eu entendi de uma reportagem que vi, mas não vou achar agora, é que eles tão fazendo levantamento de mortalidade a partir dos índices de sintomáticos. Ou seja, quem tem os sintomas compatíveis, eles consideram como pessoa com covid, mesmo sem testar.

    Enfim, todo o ponto é que os resultados da prevent não têm rigor científico nenhum (e nem pretensão de ter, aparentemente), é um simples protocolo adotado pelo hospital que eles consideram ser o melhor tratamento disponível para seus pacientes.
    É o que eles falam na entrevista. Eles acreditam que todos os indicios do remédio funcionar são bons, acreditam que é suficientemente conhecido para valer usar e que a queda em comparação com a taxa de mortalidade normal deles é por ela. Mas não dá pra fazer grupo de controle pq eles são um plano privado que quer salvar o máximo de vidas dos seus pacientes e não tem como eles deixarem de usar um remédio que acreditam que está funcionando para ter "comprovação científica".

    O ponto deles é que até haver ela, os riscos são pequenos e os indícios excelentes. Argumento que eu concordo.

     Chico Brito
  •  12844 posts
  •  

    Avatar do usuário

    With ventilators running out, doctors say the machines are overused for Covid-19

    https://www.statnews.com/2020/04/08/doc ... -covid-19/

    Agora uma reportagem sobre o protocolo adotado pelos médicos sobre o uso de ventiladores mecanicos em determinadas ocasiões.

    @Mortal Kombat







    De acordo com a Nise, tem 41 estudos sendo realizados só em USA sobre hidroxicloroquina.

     Alric
  •  7945 posts
  •  

    Avatar do usuário

    779 mortes hoje só em nova york puta que pariu

     Belic
  •  5753 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Editado pela última vez por Belic em 08/04/2020, 14:04, em um total de 1 vez.

     Metta World Peace
  •  1898 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Alric escreveu: 779 mortes hoje só em nova york puta que pariu
    estão falando que COVID 19 pode durar um ano. Se nos EUA tá morrendo em média 1000 pessoas por dia, dá 365 mil pessoas em um ano só lá.

    Imagina no mundo. Talvez ultrapasse a marca de mortos da gripe espanhola se não conseguirem resolver até lá.

    Ciência precisa achar a cura disso logo.

     Michael Jackson do Egito
  •  7975 posts
  •  

    Avatar do usuário

    @songohan2 ja mencionei aqui em alguma página por aí: o porteiro de meu ex-emprego começou a sentir febre e falta de ar um dia, mandaram ele pra descansar em casa. O quadro dele piorou depois de 2 semanas e foi internado. Morreu.

    Aqui não confirmaram nada se foi corona, mas a irmã de um amigo que trampa no hospital principal da cidade disse que foi :rimbuk2:
    songohan2  isso

     songohan2
  •  25197 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Michael Jackson do Egito escreveu: @songohan2 ja mencionei aqui em alguma página por aí: o porteiro de meu ex-emprego começou a sentir febre e falta de ar um dia, mandaram ele pra descansar em casa. O quadro dele piorou depois de 2 semanas e foi internado. Morreu.

    Aqui não confirmaram nada se foi corona, mas a irmã de um amigo que trampa no hospital principal da cidade disse que foi :rimbuk2:

    Complicado. Mas o caso que reportei é covid-19 confirmado.

    A esposa do cara é enfermeira...deve ter pego no próprio hospital.

     songohan2
  •  25197 posts
  •  

    Avatar do usuário



    Filho da puta
    Em meio à pandemia do novo coronavírus, Ronaldo Caiado abriu licitação para a compra de carnes, frutos do mar, queijos e frios para abastecer o Palácio das Esmeraldas.

    As informações constam no Diário Oficial local de hoje.

     songohan2
  •  25197 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Metta World Peace escreveu: Hospital italiano é investigado por epidemia culposa
    Instituição em Alzano Lombardo é alvo de procuradores

    https://epocanegocios.globo.com/Mundo/n ... lposa.html
    Tomar no cu, só notícia ruim hoje.

    No aguardo de algo positivo surgir.

     Chico Brito
  •  12844 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Belic escreveu:
    O MONSTRO TA SAINDO PORRA

    BIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRR


    :bigode: :chorar2:
    soca heparina neste povo caralho


    Belic  isso

     Rlim
  •  13230 posts
  •  

    Avatar do usuário

    vilela_09 escreveu: o kit da morte da prevent

    Imagem
    Isso tá sendo entregue pros pacientes suspeitos?

    Ou todos?

    Meus pais possuem o Prevent.

     songohan2
  •  25197 posts
  •  

    Avatar do usuário

     Turin
  •  18219 posts
  •  

    Avatar do usuário

    Bolatti Deusudo escreveu:
    Turin escreveu:
    Bolatti Deusudo escreveu:
    Turin escreveu:
    1+2=7 escreveu:
    Taxa de mortes com cloroquina equivale à de quem não usa, diz estudo preliminar da Fiocruz

    Os resultados preliminares de um estudo feito com a cloroquina pela Fiocruz e pela Fundação de Medicina Tropical mostraram que a letalidade no grupo de pacientes com Covid-19 testado, em estado grave, foi de 13%.

    De 81 doentes internados que tomaram o medicamento, 11 morreram.

    A taxa de mortalidade verificada em pacientes em iguais condições que não usaram a droga é de 18%, segundo estudos internacionais, inclusive da China.

    A proximidade dos dois índices não permite afirmar, por enquanto, que a cloroquina possa fazer diferença fundamental no tratamento dos doentes infectados pelo novo coronavírus.

    "Os otimistas podem achar que [a taxa com o uso da cloroquina] é menor. Os pessimistas podem achar que é igual. Estatisticamente, é igual, na margem de confiança", diz o infectologista Marcus Lacerda, da Fiocruz, que participa do estudo.

    A pesquisa deve seguir, portanto, até que os dados sejam conclusivos. "Tudo pode. Mas não podemos achar nada", diz ele, reafirmando que é preciso esperar pelas conclusões científicas e seguras do estudo.

    Ele prevê que 440 pacientes, de diferentes hospitais do país, sejam testados –e pode durar ainda de dois a três meses. O grupo de pesquisa é integrado também pela cardiologista Ludhmila Hajjar, do Incor de SP.

    A ideia inicial era que a metade dos doentes tomasse uma dose de 10g de cloroquina e o outro grupo, a metade disso.

    A dose maior, no entanto, se mostrou tóxica, provocando reações indesejadas, como arritmia e "outras complicações graves", diz Marcus Lacerda.

    As conclusões preliminares já foram enviadas para publicação numa revista científica justamente porque os testes mostraram que a dose maior de cloroquina pode causar danos. E conclusões sobre a segurança dos doentes precisam ser rapidamente conhecidas.

    "Quando comparamos os grupos de diferentes doses, vimos mais toxicidade na alta dose. Por isso suspendemos esse braço do estudo", afirma o médico. "Agora todos usarão apenas a baixa dose."

    "Nosso estudo [até agora] apenas pode afirmar que a dose alta e muito tóxica", conclui Marcus Lacerda.

    O uso da cloroquina e da hidroxicloroquina em pacientes com coronavírus viraram uma palavra de ordem do presidente Jair Bolsonaro, que quer liberar o uso mesmo antes da conclusão segura de estudos feitos no Brasil e no mundo.

    O ministro Luiz Mandetta, da Saúde, tem se recusado a endossar o uso generalizado antes da palavra final dos cientistas.
    https://www1.folha.uol.com.br/colunas/m ... cruz.shtml

    Foi testado em pacientes graves.

    Quero ver o da prevent que diz estarem usando hidroxicloroquina e nos pacientes com sintomas primários.
    Me corrija se eu estiver errado, mas o "problema" do Prevent é que, pelo que entendi, eles tão receitando para todo e qualquer paciente com febre e mais de 70 anos. Antes mesmo de saber se o paciente tem covid. São só dois requisitos: febre e idade.

    Ou seja, basicamente, é bem provável que uns 90% dos pacientes "curados" com a cloroquina sequer tinham Covid-19. E considerando o universo pequeno dos demais, é bem razoável supor que poucos morreriam ou mesmo teriam sintomas mais fortes.

    Enfim, se essas premissas são verdadeiras (é oque encontrei nas notícias) me parece que, a nível científico, beira a irrelevância as conclusões da prevent, embora seja uma tentativa válida, obviamente.
    Segundo a entrevista que eu postei com eles gigante há umas páginas atrás, apesar deles seguirem esse protocolo, os números deles são baseados nos testes que fazem e não tem todo mundo que chega.

    Tipo, eles dão o remédio pra quem chega com os sintomas, mas testam a pessoa e a baixíssima taxa de mortalidade que tem na faixa etária comparada com a normal dela é baseada nos que dão positivo.
    Entendi.

    Mesmo assim, não teria valor científico pq não tem grupo de controle, não tem critério de comparação para ter uma ideia de quantos melhoraram de fato por causa do remédio ou se eles simplesmente melhorariam mesmo sem a cloroquina.
    Além disso, se eles tão comparando com os índices globais, dá OMS, etc, tbm não faz sentido pq são inconfiaveis.

    De qualquer forma, o que eu entendi de uma reportagem que vi, mas não vou achar agora, é que eles tão fazendo levantamento de mortalidade a partir dos índices de sintomáticos. Ou seja, quem tem os sintomas compatíveis, eles consideram como pessoa com covid, mesmo sem testar.

    Enfim, todo o ponto é que os resultados da prevent não têm rigor científico nenhum (e nem pretensão de ter, aparentemente), é um simples protocolo adotado pelo hospital que eles consideram ser o melhor tratamento disponível para seus pacientes.
    É o que eles falam na entrevista. Eles acreditam que todos os indicios do remédio funcionar são bons, acreditam que é suficientemente conhecido para valer usar e que a queda em comparação com a taxa de mortalidade normal deles é por ela. Mas não dá pra fazer grupo de controle pq eles são um plano privado que quer salvar o máximo de vidas dos seus pacientes e não tem como eles deixarem de usar um remédio que acreditam que está funcionando para ter "comprovação científica".

    O ponto deles é que até haver ela, os riscos são pequenos e os indícios excelentes. Argumento que eu concordo.
    Pois então, foi o que eu disse. Na condição de um protocolo particular, a ser adotado por um médico, por um hospital ou por um plano de saúde, feitos os esclarecimentos para o paciente de que não há garantia de cura e pode haver algum risco desconhecido, acho absolutamente válido.

    Porém, os resultados extraídos dessa prática particular têm basicamente validade científica 0. Não podem e não devem servir como modelo em larga escala, a ser adotado pelo Ministério da Saúde, por exemplo.
    • 1
    • 458
    • 459
    • 460
    • 461
    • 462
    • 797

    MENSAGENS RECENTES

    https://www.instagram.com/p/CA3irSKl1jW/

    Cinema

    Com todos os problemas que estamos tendo nos &uacu[…]

    Encontraram o champs com a bandeira ucraniana. Ele[…]



    O melhor conteúdo: seguro, estável e de fácil manutenção, desde 2012